A mágica da compreensão II

por Sergio Vellozo Lucas

A cena

Uma criança brinca com um cão em um cenário de trabalho frenético para organizar uma megafesta no amplo jardim de uma bela casa de subúrbio.

Ele busca o olhar dos pais, que, muito ocupados, não dão a menor atenção.

Num instante de agitação o cachorro esbarra no canto da mesa central, aonde toda a louça da festa aguardava para ser distribuída pelas mesas periféricas. Os pratos e copos se espatifam ruidosamente no chão.

O barulho vem do local aonde o menino estava e todos os olhos que até então o ignoravam, convergem instantaneamente para ele. Como faróis iluminando um fugitivo. O cachorro foge rapidamente da cena do crime, sem ser percebido. Os olhos marejados e o rosto contraído de medo revelam um menino desamparado. Todos os fatos visíveis pareciam incrimina-lo.

O garoto fica totalmente solitário no meio dos olhares acusadores, até o seu fiel cachorro não está mais ao seu lado.

A mágica da compreensão

No auge do desespero surge o rosto conhecido do seu pai entre os olhos desconhecidos que o fitam. Ele abre os braços com um sorriso franco e acolhe o filho num abraço emocionado. Todo o corpo do menino sorri junto com sua boca, os olhos ainda marejados, agora de alívio, agradecem em silêncio.

É maravilhoso ser compreendido.

P.S.: Essa é a lembrança romanceada do roteiro de uma propaganda dos mórmons nos anos setenta. Não tenho qualquer simpatia pelos mórmons, muito pelo contrário, mas essa mensagem marcante nunca saiu da minha cabeça e até hoje é capaz de me comover. Marcou tanto que essa é a segunda versão dessa história que eu escrevo.

Compreender alguém é a forma mais eficaz de romper a solidão.

Compreender pode romper a solidão de quem é compreendido e de quem compreende.

Compreender o outro, em maior ou menor grau, é a missão de todos os homens na terra.

Sergio Vellozo Lucas | Blog do Luiz Paulo

Sérgio Vellozo Lucas

Sou médico formado pela UFF em 1986 e sou psiquiatra concursado do antigo Hospital Adauto Botelho e atual HEAC desde 1993.

Além disso sou atleta meia boca, filósofo de botequim, aspirante a escritor de bulas de remédios, pai do Joel e marido da Angelita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>